Dia 02 de Maio de 1861 – Estreia da Peça O Guarani – A primeira ópera do Ir∴ Carlos Gomes

Dia 02 de Maio de 1861 – Estreia da Peça O Guarani – A primeira ópera do Ir∴ Carlos Gomes, cantada em português e com libreto de Antonio José Fernandes dos Reis, baseado num poema homônimo de Antonio Feliciano de Castilho, teve estréia no Teatro Lirico Fluminense a 4 de setembro de 1861.

Foi cantada pelos artistas líricos da Academia de Música e Ópera Nacional, com a seguinte distribuição de papéis: Leonor (soprano Luisa Amat, esposa de D. José Amat), Henrique (Marchetti, tenor), Conde Orlando (Emílo Ribas, famoso barítono português), Fernando (Luis Marina, Tenor), Ignez (Guillemet, meio-soprano), Raimundo (H. Trindeade, barítono) e o Pagem (Soares, baixo).

 

Veja a Ata de iniciação do Ir∴ Carlos Gomes.

“Bal∴ da Sessão do 24º dia do 5º mez do Anno de 5859 Hé aberta a Loja em gr∴ de Ap∴ e com as formalidades de setilo p. haver Nº sufficiente de Ir∴ — o bal∴ da passada Ses∴ não se lê por não estar prezente o Ir∴ Sec∴ nem o Adj: — A visista feita em familia p. Ir∴ do grao 3∴ hé applaudida, retribuida e não coberta. Achando-se na Cam∴ de Ref∴ od prof∴ Antonio Carlos Gomes e José Pedro de Sant´Anna Gomes aos quaes havião sido favoraveis os escrutiios, disposta a loja em pezo na iniciação dos mesmos, depois das provas e formalidades virão a luz, prestarão juramento, forão proclamados e tomaram assento no topo da columna do Meio-Dia. Estas brilhantes aquiziçoens são applaudidas, correspondidos os app∴ e não cobertos.

Hua sublime peça de arch∴ imporvisada pelo Ir∴ Dr. Mello Mattos hé recebida com os applausos correspondentes a seo elevado grao, retribuidos e não cobertos. Juntamente hé applaudida hua muito brilhante peça de arch∴ recitada pelo Ir∴ Dr. Pinto Junior, delehado do m∴ P∴e Sup∴ Cons∴; correspondidos os appalusos não são cobertos. Hua peça de arch∴ produz o tronco de proposições, que fica sob malehte para ser lida na 1a. sess∴ ecc∴

— Dada a palavra a bem da ordem, o Ir∴ 1º Vig∴ Dr. Americo de Oliveira declarou que o Ir∴ 2º Vig.., Dr. Falcão Filho, partindo para o Rio de Janeiro, encarregara-lhe de fazer sus despedidas á loja e que lá estava prompto para cumprir seos decretos.

A sess∴ de posse fica transferida para o dia 28 por inconvenientes — o tronco de benef∴ produzio quatro mil e cem réis (4$100) que são entregues e carregados ao Ir∴ Hosp∴ — Com as formalidades de estilo levanta-se a ses∴ – Eu, Joaquim Azevedo de Castro, secr∴ a tracei e transcrevi.
(ass.)
A.O. Monteiro de Barros – 1º Vig∴ servindo de Ven∴

J. Valle Jr. – servindo de 1º Vig∴
J. A. de Castro – Secr∴ ”

Observações:

Carlos Gomes, como se pode ver, foi iniciado a 24 de junho de 1859, na Loja Amizade, a primeira da capital paulista (fundada a 13 de maio de 1832).

Manoel de Sant´Anna Gomes, iniciado no mesmo dia, era seu irmão carnal e também músico, como o pai de ambos, Manoel José Gomes (o Maneco Músico).

Nessa época, a Loja pertencia ao Grande Oriente Brasileiro (da Rua do Passeio) e só seria incorporada ao Grande Oriente do Brasil a 1º de julho de 1861, recebendo, no Cadastro das Lojas do GOB, o número 141.

O Venerável Mestre da Loja Amizade, na época da iniciação de Carlos Gomes, era um padre, monsenhor Fortunato Gonçalves Pereira de Andrade, que só não dirigiu a sessão, por se encontrar gravemente enfermo.

Do livro “Amizade: a Primeira Loja Maçônica da História de São Paulo”

Editora Amizade – 1996

O Maestro Antonio CARLOS GOMES, é uma das maiores figuras da Música Latino-Americana, e o primeiro compositor brasileiro que obteve grande sucesso, primeiro na Itália e, depois, em toda a Europa.

Nasceu em 11 de julho de 1836, neste ano por tanto comemora-se o centissexagésimo aniversário do seu nascimento, na Cidade de Campinas, no Estado de São Paulo, filho de Manuel José Gomes, mestre de música na então Vila Real de Campinas, com quem Carlos Gomes, ainda menino, iniciou-se na arte musical.

Até pouco mais de 20 anos, junto com seu irmão Manuel de Sant’Ana Gomes, realizou festivais e concertos em sua cidade natal.

Por esta época, já compunha músicas religiosas, fantasias e romances, desta época de sua juventude, destacamos a canção romântica “Quem Sabe?”.

Em 1860, deixou São Paulo e veio ao Rio de Janeiro, com o objetivo de solicitar ao Imperador, D. Pedro II, os meios para ingressar no Imperial Conservatório de Música, hoje Escola Nacional de Música da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, dirigido na época pelo Maestro Francisco Manuel da Silva.

Depois de um ano no Conservatório, montou sua primeira ópera “A Noite do Castelo”, libreto (argumento ou letra da ação de uma ópera) de Fernando dos Reis, no Teatro da Ópera Nacional do Rio de Janeiro.

Ainda no Brasil, em 1863, montou sua segunda ópera “Joana de Flandres”, libreto de Salvador de Mendonça. Devido ao seu grande talento, o Imperador enviou-o à Itália para estudar no Conservatório de Milano, onde se formou “maestro compositore” em 1866.

Sua consagração aconteceu quatro anos depois, em 1870, com a ópera “O Guarani”, libreto do poeta Antônio Scalvini, baseado no romance de José de Alencar.

A ópera montada no Theatro La Scala de Milano foi aplaudida pela crítica e pelo público e em várias versões tem sido montada nas principais salas de espetáculos do mundo. Autor de magistrais obras musicais, suas óperas principais são além de “O Guarani”, “Fosca”, “Maria de Tudor”, “Salvador Rosa” e “O Escravo”.

O Maestro Antonio CARLOS GOMES morreu pobre, em 16 de setembro de 1896, sendo este ano, portanto, o centenário de sua morte. Apesar de sofrer duras campanhas por haver vivido na Itália, no fim de sua vida foi nomeado diretor do Conservatório do Pará, mas, já doente, não conseguiu elevar aquela escola musical ao padrão que desejava.

O Maçom Antonio CARLOS GOMES, viu a verdadeira luz, em 24 de julho de 1859; iniciado na Gr∴ Ben∴ e Gr∴ Benf∴ Loja “AMIZADE”, fundada em 13 de maio de 1832, ao Oriente de São Paulo.

Do balaustre da Sessão, destacamos o trecho transcrito da cópia do balaustre que se encontra na Biblioteca do GOB, no Palácio Maçônico do Lavradio: “É aberta a Loja em Grau de Aprendiz e com as formalidades de estilo por haver número suficiente de Irmãos∴ Achando-se na Câmara de Reflexões os profanos Antonio Carlos Gomes e José Pedro de Sant’Anna Gomes, aos quais haviam sido favoráveis os escrutínios, disposta a Loja em peso na iniciação dos mesmos, depois das provas e formalidades estabelecidas pelas Leis e usos Maçônicos foram iniciados, viram a luz, prestaram juramento, foram proclamados e tomaram assento no tomo da Coluna do Meio Dia. Estas brilhantes aquisições são aplaudidos correspondidos os aplausos e não cobertos∴

O Ir∴ Antônio Carlos Gomes foi, sem dúvida , o grande acontecimento da Música Clássica Brasileira, além de ter sido o maior compositor operístico das Américas no decurso do século XIX.

Nasceu em Campinas, província de São Paulo, Império do Brasil, a 11 de julho de 1836, como um dos 25 filhos de Manuel José Gomes, regente da banda local, com quem aprendeu os rudimentos da arte musical. Aos 15 anos já compunha e aos 18 escreveu uma alentada Missa em homenagem ao pai.

Jovem ainda, deixou a terra natal e foi aprimorar a sua arte em São Paulo, onde já havia feito amizade com jovens idealistas daquela cidade, quando da ocasião de um concerto em Campinas, no Teatro São Carlos, em abril de 1859.

Ali foi ouvido por um grupo de estudantes de Direito que haviam ido ao Teatro para conhecê-lo.

Nesse grupo havia muitos membros da LOJA AMIZADE, primeira da Capital Paulista, fundada a 13 de maio de 1832 por sete obreiros, cinco dos quais eram alunos da Academia de Direito de São Paulo.

Foi naquela Loja que, a 24 de julho de 1859, por indicação de seus amigos, Carlos Gomes foi iniciado juntamente com seu irmão, José Pedro Santanna Gomes, também músico e compositor.
Morando numa república de estudantes, na Rua São José (hoje, Líbero Badaró), compôs, enquanto fazia improvisos, a mais famosa de suas modinhas: “Quem sabe?”, tão ao gosto do II Reinado e de autêntica inspiração nacional, principiando com estes deliciosos versos: “Tão longe de mim distante, onde irá teu pensamento?”.

Também nesse mesmo ano (1859) fez o “Hino Acadêmico”, com letra de Francisco Leite de Bittencourt Sampaio, estudante de Direito apresentado durante concerto em benefício da Sociedade de Proteção aos Artistas, que muito depressa ficou célebre entre os alunos da Faculdade de Direito de São Paulo.

Depois da passagem por São Paulo e de sua iniciação maçônica, foi para o Rio de Janeiro, conseguindo ali, com a proteção da Condessa de Barrai, que o Imperador o mandasse matricular no conservatório de Francisco Manuel da Silva, autor da partitura do Hino Nacional, que logo entusiasmou-se pelo jovem músico, ao qual encomendou uma cantata, obra que lhe valeu medalha de ouro, concedida pelo Imperador.

Com outra cantata, estreada a 15 de agosto de 1860, alcançou ser nomeado ensaiador e regente da Ópera Nacional, cuja orquestra dirigiu e onde fez representar, no ano seguinte, com êxito memorável, sua primeira ópera denominada A NOITE NO CASTELO.

Tal sucesso se renovaria, numa repercussão ainda maior, dois anos mais tarde, ao ser encenada outra ópera sua – JOANA DE FLANDRES. Foi então que Pedro II lhe concedeu uma bolsa para que completasse e aperfeiçoasse seus estudos na Europa.

Fixou-se em Milão (1864), onde foi aluno do Maestro Lauro Rossi e onde obteve, em 1866, o título de Maestro Compositor. Foi ainda ali que, certo dia, ouvindo um pregão anunciando a distribuição de um folheto de “Ó GUARANI”, tomou conhecimento do romance de José Alencar, do qual encontrou um exemplar numa livraria local.

Com sua aguda sensibilidade pressentiu que havia ali uma ópera em germe, um texto que facilmente poderia ser transposto para o nível dramático em que música e poesia iriam harmoniosamente complementar-se. Carlos Gomes encontrou inesperadamente, por sorte, um argumento brasileiro, de que tanto necessitava para inflamar-lhe o indesmentido patriotismo; argumento eloquente, belo, dramático, próprio para uma grande Ópera.

O libreto, preparado pelo poeta Antônio Scalvino, continha o seguinte resumo: “Este drama foi baseado no estupendo romance de José de Alencar, célebre escritor brasileiro. Os nomes guaranis e aimorés são os de duas das muitas tribos indígenas que ocupavam as várias partes do território brasileiro antes que o portugueses introduzissem ali a civilização européia.

Segundo o autor, Peri era o cacique dos guaranis. Essa tribo tinha uma índole mais dócil do que as outras, principalmente a dos Aimorés que, além de antropófagos, eram inimigos implacáveis dos brancos. Dom Antônio de Mariz, personagem histórico e não fictício, foi um dos primeiros que governaram a região da Guanabara em nome da Coroa Portuguesa e que tombou, vítima dos mercenários europeus a seu serviço.”

“O Guarani”, no romance de José de Alencar, termina com uma espécie de dilúvio e uma explosão que destrói simultaneamente o Castelo de Paquequer, a horda dos mercenários e os guerreiros aimorés e guaranis. Apenas a filha do fidalgo português, Ceci (Cecília) se salva juntamente com Peri o cacique guarani.

Arrastados pela corrente do dilúvio, onde tudo era água e céu, Peri e Ceci se salvam na cúpula de uma palmeira. O episódio do dilúvio aparece unicamente no epílogo da obra de José de Alencar. No libreto da ópera homônima de Carlos Gomes a cena foi omitida, dada a impossibilidade de representá-la no palco.

Na ópera, Dom Antônio ateia fogo aos barris de pólvora. Segue-se tremenda explosão. Desmorona o castelo, cujos escombros esmagam os ocupantes. Ao fundo no topo de uma colina, pode-se vislumbrar Peri e Cecília, unidos para uma eternidade nos laços do amor. É o momento em que tanto Alencar quanto Carlos Gomes nos transportam, em nível de Brasil, para o Primeiro Dia da Criação: Ceci e Peri – Adão e Eva, índio e branca – assumem o papel de nossos antepassados míticos.
Simbolicamente imprimiram em nossas faces, seus 170 milhões de descendentes, seu traço ancestral comum.

Embora nenhum êxito de Carlos Gomes superasse o de “O GUARANI”, ele levanta problemas e perguntas que ultrapassam os limites de uma obra de arte como, por exemplo, a destruição de nosso passado indígena pelo poder do colonizador europeu, além de muitas outras questões.

A estreia de “O GUARANI ” ocorreu de 19 de março de 1870, no teatro Scala de Milão e foi um enorme triunfo. Na oportunidade, o compositor recebeu a ORDEM DA COROA do Rei Victor Emmanuel.

A estréia nacional aconteceu no Teatro Lírico Provisório do Rio de Janeiro, a 2 de dezembro de 1870, no dia do 45° aniversário do Imperador Dom Pedro II, que prestigiou o acontecimento com sua presença e concedeu ao Ir∴ Carlos Gomes a ORDEM DA ROSA. Nas duas estréias , a ópera ainda não tinha a famosa Protofonia, só escrita em 1871 e que, até aquela data, era substituída por um simples prelúdio. ” O GUARANI” é a única ópera latino-americana que, até hoje, se mantém em cartaz nos teatros do Primeiro Mundo. Constitui, além disso, uma espécie de Segundo Hino Nacional, especialmente sua triunfal Protofonia.

A carreira do compositor foi feita, daí para frente, quase que unicamente na Itália, onde, com algumas exceções, todas as suas óperas foram encenadas.

Sempre a serviço da música, continuou com o seu trabalho, compondo: em 1873, “FOSCA”, em homenagem ao Irmão; em 1874, “SALVATORE ROSA”, dedicada a André Rebouças; em 1879, “MARIA TUDOR”. dedicada ao Visconde de Taunay; em 1888, ” LO SCHIAVO”. dedicada à Princesa Isabel, sobre argumento de conteúdo abolicionista; em 1891, “CÔNDOR”(título mais tarde mudado para Odaléa), dedicada a Teodoro Teixeira Gomes; em 1892, “COLOMBO”, alusivo ao 4° Centenário da descoberta da América.

Dessas obras, unicamente “O ESCRAVO” foi apresentado no Rio de Janeiro em homenagem à Princesa Isabel. Segundo os críticos, a melhor música de Carlos Gomes é a do Escravo, mas a melhor Ópera é a Fosca.

Em março de 1893, Carlos Gomes viajou para os Estados Unidos, integrando a delegação brasileira à Exposição Universal Colombiana de Chicago onde com muito sucesso dirigiu trechos de “O Guarani”, “Salvatore Rosa” e “Côndor”.

No auge da sua carreira, o Ir.·. Carlos Gomes construiu nos arredores de Milão, em Maggianico na província de Lecco, cidade localizada a 43Km da capital, um palacete, cercado de quatro hectares de bosques que fez questão de chamar VILA BRASÍLIA.

Recentemente a Prefeitura local homenageou o compositor brasileiro restaurando a mansão e nela instalando a ESCOLA CÍVICA DE MÚSICA.

Apesar das várias adaptações ali introduzidas, como o auditório de 400 lugares, permanecem ali as enormes estátuas de Ceci e do Cacique Peri, personagens da Ópera “O GUARANI”, lembrando o passado nobre da mansão. VILA BRASÍLIA é considerada até hoje um edifício monumental, descrito pelos jornais da época como suntuosa, vasta e até principesca.

O gesto de Carlos Gomes de construir ali tão bela morada traduz sua ideia de permanecer para sempre na Itália. Mas, não muito depois, os belos anos terminariam. Três hipotecas vinham pesando sobre a mansão que teve de ser vendida.

O fim do Império coincidiu com o declínio da carreira do compositor. O novo regime republicano negou-lhe a pensão que solicitara através do Ir∴ Francisco Glicério. A atitude do Governo parecia incompreensível, de vez que mérito e serviços prestados ao País não faltavam ao solicitante. Além do mais, a maioria dos membros do Governo era composta de maçons.

Havia, contudo, uma razão e que levava a todas as outras. Carlos Gomes era amigo e protegido da Família Imperial que havia sido banida do País. Por fim, amparado pelo influente Ir∴ Lauro Sodré, então Governador do Pará, que lhe havia conseguido o cargo de Diretor do Conservatório de Música de Belém, Carlos Gomes pôde voltar à Pátria em 1895, mas já minado pela doença, desde que se diagnosticou a presença devastadora de um câncer na boca, quase não chegou a tomar posse no cargo.

Em julho daquele mesmo ano, o Ir∴ Campos Salles, Presidente do Estado de São Paulo, concedeu-lhe uma pensão mensal de dois contos de réis. Foi um gesto nobre, mas tardio, pois Carlos Gomes viria a falecer, em Belém, a 16 de setembro de 1896, injustiçado pelo País que tanto amou, ao qual tanto engrandeceu com sua arte excelsa.

Como uma enorme emoção passasse a dominar a sensibilidade nacional, o Governo republicano viu-se compelido a rever suas posições em relação ao ilustre Ir∴ que acabara de partir para o Oriente Eterno.

O Ministro da Marinha determinou então que o barco ITAIPU – mais tarde rebatizado para CARLOS GOMES – transportasse o compositor para sua terra natal. Foi preciso que o “amigo da Monarquia” passasse para outro plano para que nas relações interpessoais o sentimento fraterno, tão caro aos maçons, voltasse a prevalecer sobre as Razões de Estado. Hoje, Antônio Carlos Gomes, é considerado como o primeiro compositor do Brasil cuja arte atravessou as fronteiras.

(A: FC | R: CRS) Ao retransmitir esta mensagem favor não retirar os créditos Assessoria de Comunicação da www.redecolmeia.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.