MODERNO

RITO MODERNO OU FRANCÊS

Após a edição do retificado Ritual do Grau de Aprendiz, edição 1995, algumas dúvidas apareceram junto às Lojas do Rito Moderno, algumas delas já existentes perante as edições anteriores, razão porque consideramos de bom alvitre o lançamento deste Manual que procurará, na medida do possível, solucionar as dúvidas que chegaram ao nosso conhecimento, com o devido “referendum” do Grande Secretário-Geral de Orientação Ritualística do Grande Oriente do Brasil, Eminente Irmão Álvaro Gomes dos Santos. 

Por outro lado, é intenção desta Grande Secretaria-Geral, determinar normas sobre algumas práticas ritualísticas, de maneira a uniformizar os trabalhos em todas as Lojas do Rito Moderno. 

Em primeiro lugar, queremos lembrar aos Irmãos que a partir do momento em que a pátria de origem do Rito Moderno (também chamado de Rito Francês, mas que, na verdade, era intitulado Rito do Grande Oriente de França) eliminou a Oficina Chefe do Rito Moderno naquele Oriente, unificando-a com todas as outras e transformando-as em Câmara Chefe dos Ritos, a única Potência Filosófica mundial especificamente do Rito Moderno é o Supremo Conselho do Rito Moderno, sediado no Brasil, com o qual o Grande Oriente do Brasil mantém secular Tratado de Amizade, e compromisso de adotar, desde que aprove, as orientações ritualísticas daquela Oficina Chefe. E, assim tem acontecido. 

O Supremo Conselho do Rito Moderno segue a orientação dos “Modernos” de 1717 e das Constituições de Anderson de 1723, confirmada nos Estatutos do GOF de 1839 e finalmente referendada pela Convenção de 1877. Poderíamos dizer, exagerando, que atualmente o Rito Moderno, com o espírito coerente com as intenções existentes por ocasião de sua criação em 1761, somente é praticado pelo Grande Oriente do Brasil. 

Não repetiremos aqui o preâmbulo do Ritual de Aprendiz e tampouco os artigos que já escrevemos na imprensa Maçônica e no livro editado pelo Supremo Conselho do Rito Moderno: “A MAÇONARIA DO TERCEIRO MILÊNIO”. Aconselhamos os Irmãos a lê-los, como também consultar os livros escritos por nosso Irmão José Castellani sobre o Rito Moderno, tais como “A MAÇONARIA MODERNA”, “O RITO MODERNO – A VERDADE REVELADA”, “INSTRUÇÃO PARA OS GRAUS SIMBÓLICOS DO RITO MODERNO” e “MANUAL DO RITO MODERNO”. 

Como lembrete final, recomendamos a leitura de textos filosóficos, particularmente sobre a Teoria do Conhecimento e recordemo-nos de que a nossa atitude filosófica é adogmática, portanto jamais deixaremos que postarmo-nos a favor da “investigação constante da Verdade”. 

Antonio Onías Neto 

Grande Secretário-Geral de Orientação Ritualística Adjunto para o Rito Moderno 

PREPARAÇÃO 

O Irmão Arquiteto é o responsável pela preparação do Templo, para qualquer grau em que se realize a sessão. Somente na sua falta tal responsabilidade é transferida ao Irmão Mestre de Cerimônias. 

Triângulo dos Compromissos- O Triângulo dos Compromissos no Rito Moderno é mera referência, posto que ele deve ser considerado parte, uma extensão da mesa do Venerável (Triângulo da Sabedoria), portanto jamais deverá ser colocado no Ocidente. No caso das Sessões de Iniciação, Elevação e Exaltação, no momento da prestação do compromisso, para que os profanos, os Aprendiz e os Companheiros não subam ao Oriente, ele poderá ser trazido até a borda do Oriente. 

Livro da Lei- No Rito Moderno, o Livro da Lei permanecerá fechado durante os trabalhos, sobre o Triângulo dos Compromissos, tendo em cima o Esquadro e o Compasso. 

Painel do Grau- Os painéis do grau deverão ser afixados junto à Mesa do Venerável. Antigamente, tradicionalmente, os painéis eram desenhados no chão, no meio do Templo. O Rito Moderno usa apenas o Painel Simbólico, não utilizando o chamado Painel Alegórico. 

A Espada do Venerável- O Venerável, no Rito Moderno, não usa a Espada Flamígera, ondulada, de origem mística, para a Sagração; deverá, isto sim, usar a Espada Maçônica, reta. 

Cobridor- O fato do Cobridor se sentar na linha do Equador, na direção do Venerável, não altera a Coluna à qual responde: a Coluna do Norte. Logo no início do ritual já consta que o 2º Experto se dirige a ele, e ele ao 2º Vigilante (pg. 24): da mesma forma vemos na Iniciação (pg. 46, 47 e 60) e na Filiação (pg. 63), Ritual de Aprendiz, edição 1995. 

Por outro lado, a dúvida da existência ou não de Cobridor Externo no Rito Moderno é infundada, o que ocorre é que, normalmente, os Porteiros ou Zeladores dos Templos (dos Grandes Orientes e de Lojas que possuem prédio próprio) fazem a vez dos mesmos. E, na planta do Templo, que cobre apenas sua parte interna, não caberia colocar a sua posição Observe-se, ainda, que no Ritual de Instalação e Posse é dado posse também ao Cobridor Externo, se nomeado. 

ENTRADA NO TEMPLO 

No início dos trabalhos- No Rito Moderno não há obrigatoriedade de haver uma determinada ordem de entrada dos Irmãos no Templo. A única regra de entrada, quando existente uma ordem, é a entrada primeiro dos Aprendizes, depois dos Companheiros, e, sucessivamente Mestres, Mestres que ocupam cargos, sendo que os Irmãos de cargos mais altos na hierarquia serão sempre os últimos a entrarem, antes do Venerável. As Autoridades Maçônicas que dispensarem a formalidade no seu ingresso entrarão (as Estaduais antes das Federais) também antes do Venerável, exceto o Grão-Mestre Geral e seu Adjunto e o Grão-Mestre Estadual e seu Adjunto, quando na sua Jurisdição, que deverão entrar sempre com formalidade, conforme determina o Regulamento Geral e no protocolo de recepção de Autoridades. No entanto, os Irmãos devem adentrar ao Templo já paramentados. 

Entrada após o início dos Trabalhos- Após o início dos trabalhos a entrada sem formalidades nunca é feita por trás das colunas J e B, pois estas estão, ou deveriam estar, no pórtico de entrada, encostadas à parede do Templo, quer dentro, quer fora. É recomendável que a entrada dos retardatários seja sempre ritualística.

Nas Sessões Magnas, o Cobridor não deve anunciar que bate à porta. 

Os Irmãos que entrarem durante a discussão de qualquer proposta, inclusive de Iniciação, devem se abster de votar, pois não acompanharam todo o transcorrer dos debates, estando pois impedidos de participar da decisão; sendo recomendável que só se permita a entrada de Irmãos após a decisão de propostas em discussão ou mesmo após a leitura de atas. 

Bateria solicitando entrada no Templo- Quando se solicita entrada, após o início dos Trabalhos, a qualquer Templo Maçônico, a bateria a ser dada na porta é a de Aprendiz, restringido-se somente a ela, devendo o retardatário esperar a abertura da porta ou um sinal do Cobridor (com a bateria do grau de Aprendiz, jamais arrastando a espada no chão) significando que deva esperar a abertura. O Cobridor verificará se o Irmão que está fora tem condições de assistir os trabalhos que ali se realizam. Nas Sessões de Iniciação, Elevação e Exaltação o Cobridor não deve anunciar que batem à porta, devendo fazer sua verificação em silêncio, e permitindo a entrada, desde que o Irmão retardatário tenha condições de assistir a Sessão. 

Devemos nos lembrar que o grau de algum Trabalho pode ser alterado em virtude de alguma necessidade administrativa, inclusive, que em alguns Templos se realizam também sessões de Graus Filosóficos, não devendo o Irmão à porta do Templo ir aplicando todas as baterias até chegar ao Grau em que pretensamente se realiza a Sessão. E, ainda, há Templos, como na rua do Lavradio, em que a porta da maioria dos Templos fica em corredor com acesso a Irmãos de graus inferiores e até a profanos. 

Por outro lado, os Irmãos devem procurar conhecer a bateria do grau de Aprendiz de todos os Ritos reconhecidos pelo Grande Oriente do Brasil, para não correrem o risco de ouvir ou mesmo dizer: “Batem irregularmente à porta do Templo”, quando a bateria for de outro Rito. 

ABERTURA DOS TRABALHOS 

Espada do Cobridor e do Mestre de Cerimônias- O Cobridor e o Mestre de Cerimônias deverão sempre portar espada, na mão direita, verticalmente, com a ponta para cima e com o punho à altura da cintura. Não existe posição “à ordem” com sinais maçônicos, quando portar a espada ou com qualquer outro instrumento de trabalho na mão direita. O Mestre de Cerimônias no transcorrer dos Trabalhos, como poderá estar levando documentos de um triângulo a outro ou durante o trajeto do Saco de Propostas e Informações deixará a espada embainhada. 

Meditações, concentrações ou similares- Esclareça-se que no Rito Moderno não existe, como em outros Ritos, antes do início dos Trabalhos (quer dentro, quer fora do Templo) qualquer tipo de meditação, concentração, prece, leitura de trechos filosóficos ou religiosos, ou algo parecido. Estas demonstrações terminam, infelizmente, se transformando em pregação desta ou daquela religião, o que não deve ocorrer em um Rito que é eqüidistante das religiões, como deve ser a autêntica Maçonaria. 

Por outro lado, a desculpa de preparar o Irmão para o início dos trabalhos é infundada, posto que o Maçom responsável deve vir preparado psiquicamente para os Trabalhos, ele sabe que o Templo Maçônico é um lugar onde deve reinar a Harmonia. 

Acrescente-se, ainda, que a leitura de trechos, que valham a pena serem ouvidos, deve ser feita no Período de Estudos, atualmente obrigatório em todos os Trabalhos da Loja, quando ensejará debates e esclarecimentos úteis. 

Sinais antes da constatação da cobertura do Templo – Até o momento em que é verificado estar o Templo coberto, e a ordem do Venerável para estarem “De pé e à ordem”, não se faz quaisquer sinais, inclusive o 2º Experto, ao fazer a comunicação ao Cobridor para velar pelo Templo, não o faz à ordem, não devendo, por outro lado, ficar de costas para o Oriente. Da mesma forma não se dá qualquer bateria. 

Cobertura do Templo- Não se deve usar a expressão “Mandai que os Aprendizes, Companheiros ou Mestres cubram o Templo”, eles não cobrem o Templo ao se retirarem, o Templo é que é coberto para eles. 

Saída temporária do Templo- Quando houver cobertura temporária do Templo para si, por ordem do Venerável ou por sua solicitação, o Irmão ao sair deverá fazer a saudação ao Delta, tornando a fazê-lo ao retornar. Quando a saída for definitiva deverá saudar o Venerável e os Vigilantes, não esquecendo antes de depositar seu óbolo no Tronco de Solidariedade. A saudação deverá ser apenas entre colunas. 

O Sinal no início e no término dos Trabalhos- Desde os primeiros rituais do Rito Moderno sempre se disse: “Pelo sinal, pela bateria e pela aclamação”. Na verdade sempre se fez a saudação, ou seja o sinal é descarregado. No entanto, considerando-se esta tradição, nos rituais permaneceu o termo “pelo sinal”, mas se executará a saudação do grau. Na correção dos novos rituais constará além do “(executa-se)”, o termo “(descarregando-o)”, para não deixar dúvidas. No entanto, os Veneráveis deverão usar as palavras constantes no ritual, não as alterando. Por outro lado, é lógico que, quando se está com o sinal à ordem, para se executar a bateria é necessário descarregá-lo, ou seja, fazer a esquadria, e não executar a bateria diretamente. Para execução dos sinais, o Venerável e os Vigilantes deverão deixar os respectivos Malhetes sobre os Triângulos, posto que não se executam sinais com instrumentos de trabalho. 

Aclamação – Esta é feita com o sinal de ordem, sem bateria alguma. 

TRAÇADO 

Votação no caso de haver emendas à redação- Somente os Irmãos que estavam presentes na Sessão a que se refere o traçado que teve emendas propostas deverão participar da votação, estendendo o braço direito, horizontalmente, para frente. Os demais deverão ficar de pé e à ordem, evitando serem confundidos com aqueles que votarem contra as emendas. Da mesma forma agirão sempre que houver alguma votação, e queiram se abster. 

Sessões Magnas- O Secretário nunca dirá que não há traçado a ser lido, pois geralmente sempre existe um traçado anterior. O correto é o Irmão Secretário solicitar do Venerável autorização para deixar de fazer a leitura dado ser Sessão Magna, ou o Venerável dispensar diretamente sua leitura. 

EXPEDIENTE 

Sessões Magnas- O Venerável solicitará do Secretário informar se há expediente urgente ou referente ao Ato constante da Ordem do Dia da Sessão Magna. 

Conteúdo- Quando houver trabalhos maçônicos literários nos Boletins, o Venerável designará um Irmão, ou o Irmão Orador, para lê-los na Ordem do Dia, no Período de Estudos. 

SACO DE PROPOSTAS E INFORMAÇÕES 

Movimentação do Mestre de Cerimônias durante sua execução – Está claro no Ritual que sempre que o Mestre de Cerimônias efetuar o trajeto do Saco de Propostas e Informações deverá executar os dois triângulos sobrepostos inversamente, ou seja, Venerável, 1º Vigilante, 2º Vigilante (1º triângulo) e Orador, Secretário e Cobridor (2º triângulo). Somente depois de efetuados os referidos triângulos é que irá ao Oriente buscar as propostas dos Irmãos que estejam ali sentados, sejam quais forem seus cargos ou comendas. Somente o Grão Mestre presente é exceção, pois ele incorpora a cabeça da Loja, juntamente com o Venerável. Estes triângulos jamais deverão deixar de ser executados; se houver necessidade de maior celeridade, dado o grande número de Irmãos presentes, o Venerável determinará que um Irmão (Mestre de Cerimônias Adjunto ou Hospitaleiro) colabore captando as propostas dos Irmãos que estiverem sentados nas colunas. Durante seu trajeto levará a bolsa junto ao quadril esquerdo. 

Movimentação do Mestre de Cerimônias dentro do Templo- O único Irmão que tem movimentação livre dentro do Templo é o Mestre de Cerimônias, que não andará à ordem, não fará circunvolução, e, tampouco fará mesuras ou quaisquer sinais (à ordem ou de reverência com a cabeça) ao Venerável cada vez que suba ou desça do Oriente. 

Os demais Irmãos sempre que tiverem que se movimentar o farão acompanhados pelo Mestre de Cerimônias. O Mestre de Cerimônias quando leva algum Irmão a seu lugar deverá seguir na frente do mesmo e não levá-lo pelo braço, este tratamento só deve ser usado para o candidato, enquanto não iniciado. 

Por outro lado, o Mestre de Cerimônias sempre deverá andar armado com a espada, quer embainhada (quando a serviço com quaisquer outros objetos nas mãos), quer na mão direita, quando esta deverá ter a ponta para cima, junto ao ombro direito e seu punho junto ao quadril. 

Conferência pelo Venerável- O Venerável confere o Saco de Propostas e Informações sentado, somente o Orador e o Secretário se levantam. Raramente o Venerável se levanta, a não ser naqueles momentos determinados pelo Ritual, ou quando presente o Grão Mestre. 

ENTRADA DE VISITANTES 

Nas Sessões Magnas- Nessas Sessões é sempre recomendável que os visitantes entrem por ocasião da Ordem do Dia, no entanto, tem sido praxe, principalmente nas Sessões comuns, os Irmãos visitantes entrarem junto com os Irmãos de Loja, o que nada impede que seja feito. Alguns Irmãos defendem a tese que em Loja Maçônica não existem visitantes. 

Os visitantes profanos, nas Sessões em que for permitido o seu ingresso, deverão entrar sempre na Ordem do Dia. 

Em virtude do fato da maioria das Lojas não terem salão próprio para recepção e festas (estas são feitas no Templo Maçônico, que neste momento não deve ter as características simbólicas de um 

Templo), se admite, a contragosto, que as autoridades profanas sejam chamadas ao Oriente, que passa a ser apenas o lugar em que está a mesa da presidência da cerimônia. As mulheres devem, preferivelmente, ficar na Coluna do Norte, que é responsabilidade do 2º Vigilante, pois esta é a coluna Coríntia, que é dedicada à Beleza. 

TELHAMENTO 

Telhamento ou trolhamento- O nome do Cobridor em francês é “tuileur”, ou seja telhador, de telha (tuile), cobertura de uma casa. O Cobridor (telhador) é quem verifica se o visitante tem condições ou não de adentrar ao Templo, portanto o nome correto é Telhamento, jamais trolhamento. 

Trolhamento vem de trolha, cuja finalidade é dar acabamento a obra, aparar as arestas. O termo trolhamento tem cabimento se usado no sentido de aparar as arestas entre Irmãos que tenham alguma pendência.

ORDEM DO DIA 

Este tema será tratado de forma específica, conforme o seu conteúdo. 

TRONCO DE SOLIDARIEDADE 

Movimentação do Hospitaleiro- O Irmão Hospitaleiro, durante o trajeto do Tronco de Solidariedade, deverá agir da mesma forma que o Irmão Mestre de Cerimônias no giro do Saco de Propostas e Informações. Não fará quaisquer sinais ou mesuras durante o seu trajeto, mesmo quando subir ou descer do Oriente. 

Por motivo de necessidade, será auxiliado pelo Hospitaleiro Adjunto ou pelo Mestre de Cerimônias. 

Práticas proibidas- Não se deve anunciar óbolos em nome de Irmãos ausentes ou em nome de Lojas. 

Nas Sessões públicas o Tronco só será realizado após a saída dos profanos. 

PALAVRA A BEM DA ORDEM 

A forma de pedir a palavra – Perdir-se-á a palavra com um bater de palmas com força e permanecendo com o braço direito na horizontal até que seja observado por quem lhe dará este direito. 

Finalidade- O uso da “palavra a bem da Ordem” deve se restringir a justificativa de falta de algum Irmão, pequenas comunicações, e outros assuntos que não foram expostos na Ordem do Dia, não devendo ser utilizada para voltar a discutir assunto debatido na Ordem do Dia. 

Mudar de Coluna para usar a palavra- Após a palavra ter passado pela Coluna, o Irmão não poderá mudar de coluna ou se dirigir ao Oriente para fazer uso da palavra. Contudo, ele poderá solicitar, por intermédio do Vigilante, o retorno da palavra para novo giro, sendo que o pedido poderá ou não ser deferido pelo Venerável. 

A palavra “Entre Colunas”- Qualquer Mestre Maçom pode colocar-se entre colunas e pedir a palavra diretamente ao Venerável, caso o Vigilante não lhe conceda o uso da mesma. Neste caso a palavra não poderá ser cassada, mas o Irmão responderá pelas inconveniências que possa praticar, podendo o Venerável cassar-lhe a palavra e o Irmão Orador tomar as providências devidas. 

Em Sessões Magnas – A “palavra a bem da Ordem” nas Sessões Magnas deve se restringir exclusivamente a respeito do ato objeto da Sessão, e, quando muito, para justificar falta de algum Irmão ou alguma comunicação efetivamente urgente e breve. 

Tratamento no início do uso da palavra- Com a intenção de uniformizar e como sempre foi de uso e costume nas Lojas do Rito Moderno, recomenda-se que o Irmão, quando usar a palavra no início de sua peroração diga: Venerável Mestre, Luzes, Autoridades e Dignidades com assento no Oriente (poderão ser nomeadas), meus Irmãos,….. Quando o Grão Mestre estiver presente, começará pelo seu nome. 

Observe-se que sempre que estiver de pé e parado o Irmão deverá estar com o sinal à ordem, inclusive o Mestre de Cerimônias, e, se autorizado a desfazê-lo, só o fará após a saudação inicial. 

Presença do Grão-Mestre- Na presença do Grão-Mestre Geral ou do Grão-Mestre Estadual todos os Irmãos, mesmo os que tenham assento no Oriente, deverão falar de pé. Caso os Grão-Mestres não estejam presentes, os Irmãos que estão no Oriente poderão falar sentados. 

A palavra dos Vigilantes- Os Vigilantes quando vão fazer uso da palavra, e a palavra estiver em suas colunas, não precisam pedi-la ao Venerável. Quando presente o Grão-Mestre, não sendo parte integrante do ritual, devem falar de pé. 

ENCERRAMENTO DOS TRABALHOS 

A saída dos Dignitários da Ordem que presenciaram os Trabalhos se faz antes do encerramento dos mesmos. Os Trabalhos devem ser encerrados de forma ritualística, não se permitindo o encerramento com um só golpe de malhete. 

SAÍDA DO TEMPLO 

Caso tenha havido uma ordem na entrada do Templo a saída obedecerá a ordem inversa. No entanto, de qualquer forma, o desvestir dos paramentos deve ser feito fora do Templo. 

ORDEM DO DIA 

Assuntos administrativos- Deverão ser programados antecipadamente. Somente, excepcionalmente, deverão ser tratados de assuntos propostos no mesmo dia. Os debates devem se restringir aos assuntos a serem deliberados. 

Período de Estudos – Em todas as Sessões deve ser destinado um período para a apresentação de trabalhos, que podem e devem ser debatidos, voltando a palavra às colunas. Os Irmãos apresentarão os trabalhos diretamente do local onde estavam sentados. É recomendável que este período seja feito antes da discussão de assuntos administrativos. Nas Sessões do Grau de Aprendiz, caso ninguém apresente trabalho, o 2º Vigilante deverá fazer uma instrução no Grau . Nas Sessões de Companheiro esta obrigação é do 1º Vigilante. Caso os dois não apresentem nenhum trabalho, esta obrigação fica a cargo do Orador, que deve estar sempre preparado para a apresentação de uma peça de arquitetura sobre temas maçônicos ou mesmo profanos. Temas e trabalhos constantes de livros maçônicos e dos Boletim Oficiais são substitutos fáceis para a inexistência de um trabalho. Assuntos não faltam quando se quer motivar uma Loja, para que as reuniões não se tornem uma rotina administrativa, que não é sua finalidade. Não é permitida a apresentação de trabalhos com cunho de proselitismo religioso ou político-partidário 

Assuntos encaminhados ao estudo das Lojas pelos Altos Corpos- As Lojas devem, sempre que qualquer tema for trazido pelos Altos Corpos, levar a debate. E, preferivelmente, dar retorno das conclusões a que as Lojas cheguem. 

Assuntos que comportam rituais especiais- Alguns assuntos que comportam rituais especiais os têm especificamente, tais como: Instalação de Venerável e das Dignidades e Oficias da Loja, Inauguração de Templo, Regularização de Loja, Pompas Fúnebres, Adoção de Lowtons e Exaltação Matrimonial, e para eles devem se reportar os Irmãos. 

Eleições- Para as eleições não foram feitos rituais especiais, no entanto, o Superior Tribunal Eleitoral do Grande Oriente do Brasil fixou normas que constam de modelo de Ata. Consideramos as Sessões Eleitorais maçônicas, e como tais, deveriam ser iniciadas e encerradas ritualísticamente no Grau de Mestre. Poder-se-ia considerar não maçônica uma eleição para Grão-Mestre ou para Venerável de uma Loja, que interessa sobremaneira ao mundo maçônico? 

Outras Sessões Magnas – São Sessões Magnas a Admissão de um Profano, particularmente, sua Iniciação, a Filiação e a Regularização de Irmãos ao Quadro da Loja. Também comportam Sessões especiais a Elevação ao Grau de Companheiro e a Exaltação ao Grau de Mestre, que serão tratadas nos seus respectivos rituais. 

ADMISSÃO DE UM PROFANO 

Na parte legal, a admissão de um profano deve ser exatamente o determinado na Legislação pertinente do Grande Oriente do Brasil. 

A decisão da Loja e o escrutínio secreto- Devem ser tomadas todas as precauções para que a aprovação ou rejeição de um candidato não ocasione ambiente de mau estar entre Irmãos, sendo preferível, às vezes, que se retire uma proposta do que se provoque choque entre Irmãos. O Venerável deve agir com a possível sutileza nestes casos. 

No caso de rejeição, os Irmãos que colocaram bola preta devem esclarecer, por escrito, exatamente o motivo pelo qual o fazem para que seja possível a comunicação ao Grande Oriente de forma circunstanciada, pois deve ser sugerido a inclusão do nome do profano no Livro Negro ou no Livro Amarelo. Caso não haja este esclarecimento, o Venerável deverá desconsiderar a votação, repetindo-a. 

Crença- No Rito Moderno, por ocasião das sindicâncias, não se deve exigir posições definidas quanto às crenças e convicções religiosas dos profanos. O que se cobra é, apenas, se concebe um Princípio Criador. Dada a posição adogmática do Rito Moderno, alguns Irmãos ficam em dúvida se dentro de suas crenças devem usar o termo Grande Arquiteto do Universo, Supremo Arquiteto, Ser Supremo, Espírito Cósmico, Energia Universal, Deus, Alá, Adonai, ou qualquer outro. Ora, se o Rito é adogmático jamais fixaria uma norma a respeito do assunto, os Irmãos têm a liberdade de se expressar da forma que melhor lhes aprouver, conforme suas crenças ou convicções. 

Preparação do candidato admitido às provas- No Rito Moderno, o Irmão Terrível se identifica com o Irmão 1º Experto. As determinações do Ritual devem ser seguida “ipsis literis”. É absolutamente proibido molestar o candidato de qualquer forma. Iniciação não é trote universitário, é um fato, um momento muito importante na vida do homem e particularmente na vida da Ordem. 

Terceiro experto – A institucionalização do terceiro experto nas Lojas simbólicas vem do fato do Grande Oriente permitir somente a iniciação de três profanos por vez, e cada experto se ocupa de um profano. 

Questionário e Testamento- O Testamento Filosófico e Moral a ser entregue e preenchido pelo profano candidato à Ordem Maçônica, nas Lojas do Rito Moderno, é aquele constante no Ritual de Aprendiz à página 43. Não sendo correto o preenchimento de nenhum outro. O testamento de bens materiais não deve ser apresentado ou preenchido pelo candidato, posto que não tem qualquer valor moral ou legal. 

O Experto, quando for mandado ir buscar o testamento, não deve ir buscar o papel com o Venerável, devendo sair de imediato e trazer o testamento na ponta da espada. 

A INICIAÇÃO 

Leitura do Ritual pelo Irmãos- Quando houver uma Iniciação, Elevação ou Exaltação todos os Irmãos devem ler o Ritual, posto que podem ser exigidos a exercer qualquer função pela falta justificada de algum titular. Por mais que se considere conhecedor do texto dos rituais esta observação deve ser praticada, e, na Sessão anterior o Venerável deve chamar a atenção dos Irmãos para essa prática. 

Texto constitucional a ser lido pelo Orador- Nas Sessões de Iniciação, o Orador deverá ler o Artigo 1º da Constituição do Grande Oriente do Brasil e todos seus dez incisos, onde constam os Princípios Gerais da Instituição. 

Os Expertos – Os Irmãos Expertos devem praticar em todas as suas minúcias as viagens, para que o candidato as sinta conforme a interpretação a ser dada a elas posteriormente. 

Na segunda viagem deve não esquecer de fornecer as espadas aos Irmãos. Da mesma forma quando a venda será retirada dos olhos do candidato. 

Interrogatório- Às vezes alguma resposta dada pelo candidato pode não ter sido satisfatória dentro da concepção Maçônica, como por exemplo: PENA DE MORTE. Se por acaso candidato responder que é a favor da pena de morte, uma posição natural entre profanos, o Orador, na sua saudação, deverá, se outro irmão não o fizer, lembrá-lo que a Maçonaria “combate, terminantemente, o recurso à força e à violência para a consecução de quaisquer objetivos;”, mesmo que por parte do Estado, conforme reza o inciso IX do Art. 1º da Constituição do Grande Oriente do Brasil. Consideramos que é importante chamar a atenção do neófito para aquelas respostas que não satisfizeram amplamente, enquanto a sua memória ainda está fresca quanto a resposta dada. 

O óbolo na Iniciação- Quando o Hospitaleiro for verificar quanto o candidato destina às obras de solidariedade, recomenda-se seja executada a Coluna de Harmonia e não o arrastar de pés. 

As luzes do Templo – Nas Sessões de Iniciação, as luzes do Templo não devem ser apagadas, posto que os demais Irmãos já viram a Luz e o candidato está vendado, não está vendo luz alguma, e, quando se lhe tira a venda verá toda a luminosidade do Templo e não o Templo no escuro. 

Abraço fraternal- A bateria a ser dada, nas costas, é com a mão direita por ocasião do abraço fraternal, devendo ser feito primeiro com o braço direito sobrepondo-se ao ombro esquerdo. 

Local da primeira instrução- Se a Loja tiver uma sala ou um átrio totalmente fechados a profanos, ali poderão ser dadas as primeiras instruções pelo Irmão Experto. No entanto, caso isto não aconteça, as instruções deverão ser dadas dentro do Templo, saindo depois, o Experto e o candidato, para a Sala dos Passos Perdidos, quando baterá pedindo entrada. 

Tronco de Solidariedade- O candidato deverá ser instruído quanto a sua finalidade, e que não é o momento de dar o valor informado ao Irmão Hospitaleiro, antes de receber a Luz, que deverá ser dado posteriormente. 

Uso da palavra- O Venerável e Os Vigilantes devem alertar os Irmãos quando anunciar a palavra “a bem da Ordem”, que a mesma deve se restringir ao ato. 

FILIAÇÃO E REGULARIZAÇÃO 

A Filiação e a Regularização devem ser seguidas conforme determina o Ritual. 

COMUNICAÇÃO DA PALAVRA SEMESTRAL 

A orientação contida no Ritual não deixa dúvidas quanto a sua prática. Ela somente poderá ser fornecida a Irmãos do Quadro, e em Loja. O Irmão que não estiver presente no dia de sua comunicação deverá procurar o Venerável, no recinto da Loja, e solicitá-la. 

A Palavra Semestral, é uma prova de regularidade, e portanto deve ser sempre exigida de um visitante a respeito do qual se tenha dúvida quanto a sua situação perante o Grande Oriente do Brasil. 

Cadeia de União- A Cadeia de União poderá ser feita também para demonstração da união que existe entre os Irmãos da Loja, não sendo exclusiva para a comunicação da Palavra Semestral. Sempre que houver a Cadeia o Venerável deverá dizer: “Que nossos corações…..”, conforme Ritual. 

Na Cadeia de União, o braço direito deverá ficar sobre o esquerdo. 

BATERIA DE LUTO 

Em Loja Maçônica não existe homenagem a Irmão falecido com um minuto de silêncio. O correto é solicitar do Venerável a Bateria de Luto. E, é a bateria do grau no antebraço esquerdo. 

PROTOCOLO DE RECEPÇÃO DE AUTORIDADES MAÇÔNICAS OU PORTADORES DE TÍTULOS DE RECOMPENSA 

O Ritual é bastante claro quanto a recepção das Autoridades Maçônicas. 

Paramentos a serem usados- Os paramentos em Lojas Simbólicas são sempre os do Simbolismo. 

Excepcionalmente nas Sessões Magnas ou Especiais, ou em visitas oficiais, os Irmãos poderão utilizar os paramentos dos Graus Filosóficos, desde que representando oficialmente um Alto Corpo, Capítulo, Grande Conselho ou Supremo Conselho. 

Nas Sessões públicas os Irmãos poderão usar livremente os paramentos dos Graus Filosóficos. 

No Rito Moderno não existe a figura do Past-Master ou Past-Grão-Mestre, só existente no Rito de York ou Rito de Emulação, o uso nos demais Ritos é indevido. 

Preferência na homenagem- Quando acontecer de estarem presentes Irmãos cujo cargos tenham equivalência entre os Graus Simbólicos e Filosóficos, a preferência na recepção será sempre da Autoridade da Potência Simbólica a que a Loja está subordinada. Estando presentes Irmãos de Potência Maçônica com Tratado de Amizade com o Grande Oriente do Brasil e Irmãos de Graus Filosóficos do Rito praticado pela Loja, haverá preferência pelo Irmão do Rito. 

INSTRUÇÃO DO GRAU 

Além das Sessões do grau correspondente destinadas especialmente para instrução, o Vigilante responsável pela Coluna, sempre que não houver nenhum trabalho apresentado, deverá cobrar dos ocupantes da Coluna, as instruções do grau, como se fosse uma sabatina. 

BANDEIRA NACIONAL 

A presença da Bandeira Nacional é obrigatória em todas as Sessões Maçônicas, sendo considerada a maior autoridade dentro de uma Loja. Nas Sessões públicas, com presença de profanos, é obrigatória a cerimônia da entrada da Bandeira, que será a última a adentrar ao Templo. 

A Bandeira será recebida por uma Comissão composta de treze Irmãos Mestres, armados de espada, e acompanhada por uma Guarda de honra de três Mestres, também armados de espada (um atrás e os outros ladeando o Porta Bandeira), somente esta Guarda de honra fica fora do templo para depois entrar acompanhando a Bandeira.. 

A Comissão de recepção, tanto para a Bandeira como para Autoridades Maçônicas, não deve sair do Templo. 

A Comissão de recepção ficará em fila ao lado das colunas, sendo seis ao Norte e sete ao Sul. Os Irmãos permanecerão com a espada na mão direita, ponta para cima e punho colado ao quadril. Enquanto não houver alteração, o dec. 0084 de 19.11.97 deverá ser obedecido. 

A Bandeira deverá ser portada sempre na vertical, nunca deverá ser abatida para frente. Após sua entrada ficará entre colunas, enquanto for executado o Hino Nacional, que poderá ser de simples execução instrumental, tocando-se a música integralmente, mas sem repetição, ou de execução vocal, quando sempre serão cantadas as duas partes do poema. Durante a execução do Hino Nacional nas Sessões Maçônicas os Irmãos devem permanecer de pé e à ordem, e nas Sessões públicas deverão ficar perfilados, sem colocar a mão sobre o coração, conforme determina a legislação profana que rege o assunto. 

Após a execução do Hino, que não deve ser aplaudida, o Venerável ordenará que seja levada ao seu pedestal, sempre à direita do Triângulo da Sabedoria. Durante a sua passagem a Comissão deverá abaixar as espadas em sinal de respeito, para frente e para baixo, num ângulo de 45º graus do braço com o corpo, como se ela fosse uma extensão do braço, o Venerável poderá ordenar que se aplauda. 

Após a passagem da Bandeira todos voltam a posição anterior. Colocada em seu pedestal o Venerável deverá mandar desfazer as Comissões. 

Quando terminados os Trabalhos, a Bandeira Nacional é a primeira a sair. Antes de sua saída deverá ser ordenada a formação da Comissão e da Guarda, e o Venerável determinará a um Irmão, preferivelmente o Orador, para que faça a saudação à Bandeira. 

Quem fizer a oração à Bandeira não deverá beijá-la ao final, este ato serve para Estandarte de escola de samba. 

Após a alocução o Porta Bandeira ficará no centro do Oriente, voltado para o Ocidente, quando se executará o Hino à Bandeira. 

Seguindo ordem do Venerável, a Bandeira será retirada do Templo, devendo os Irmãos da Comissão se portarem de igual forma da entrada da mesma. 

Nas Sessões após a entrada do Pavilhão Nacional ninguém mais entra com formalidades. 

Simbolismo da Bandeira Nacional em Loja do Rito Moderno- Alguns Irmãos perguntam o por quê a Bandeira Nacional do Brasil deva ser referenciada, quando dentro da Loja existem Irmãos de diversas nacionalidades? A Loja não é um Templo Universal, símbolo de todo o Planeta? Com fundamento nos princípios da Universalidade da Maçonaria, evidentemente, estão com parte da razão os que assim pensam. 

No entanto, é de se observar que nas Constituições de todas as Potências Maçônicas e na nossa particularmente afirma-se: “Condena a exploração do homem, os privilégios e as regalias, ENALTECENDO, porém, o mérito da inteligência e da virtude, bem como O VALOR DEMONSTRADO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS à Ordem, À PÁTRIA e à Humanidade”, e mais adiante vemos que o Maçom deve fidelidade e devotamento à Pátria. 

Ora, o homem que não tem amor pela sua origem, que não ama o solo onde nasceu, não tem devotamento à região em que vive, dificilmente poderá ter amor pelo seu semelhante, pelo seu par, pelo seu próximo, posto que, se não consegue ter amor por aquilo que está perto, por aquilo que está dentro de si, que está ao seu alcance, pelo solo em que pisa, muito menos poderá ter amor por aquele que nunca viu, embora saiba ser seu igual. 

Por outro lado, o homem que neste amor se radicaliza, que abraça neste seu nacionalismo uma posição xenófoba, jamais poderá ingressar na Ordem Maçônica, pois ainda naqueles mesmos Princípios acima citados nós vemos que além dos serviços que deve prestar à Ordem e à Pátria, se deve também a mesma obrigação para com a Humanidade. Diz ainda que “o sectarismo político, religioso ou racial é incompatível com a universalidade do espírito maçônico…”, e mais adiante afirma que “considera Irmãos todos os Maçons, quaisquer que sejam, suas raças, nacionalidades, convicções ou crenças”. “Globalização econômica” não é universalismo, tanto quanto patriotismo não é xenofobia. 

Recorrendo ao símbolo da Pátria onde está localizada a Loja, lembramos todas as Pátrias do Universo, recordamos a Pátria de todos os nossos Irmãos. Razão porque consideramos, no mínimo inconvenientes 

Irmãos que no momento da Oração à Bandeira se referem a participação dela em guerra contra outras Nações. 

Lembrai-vos, por fim, que a nossa Pátria, em seu sentido mais amplo, é aquela oriunda do Princípio Criador, e, ela tem por dimensão a Loja Maçônica, do Oriente ao Ocidente, do Norte do Sul. Nossa Pátria não tem limites, não tem fronteira. 

Saudação à Bandeira- Na Saudação à Bandeira, em Loja do Rito Moderno, o Orador não deve fazer nenhuma alusão a guerras nas quais o Brasil tenha participado, com exceção à luta contra o nazi-fascismo, sem referir às nações que se envolveram no conflito. 

Entre as diversas saudações que podem ser feitas, e sugeridas pelo Grande Oriente, sugerimos, também, que nas Lojas do Rito se faça a seguinte saudação: 

ORAÇÃO À BANDEIRA 

Bandeira do Brasil, nós, Maçons, estamos aqui reunidos para reverenciar-te. 

No verde de nossa Mata Atlântica, quase extinta, que devemos preservar, e, por isso nos preocupar com a nossa Amazônia, que precisa desenvolver-se, mas com planejamento, com desenvolvimento auto-sustentável, com a importância e o respeito que ela merece. No verde de nossa agricultura, nosso destino maior, e tão mal amparada. 

No amarelo do nosso ouro, de nossas riquezas minerais, cada mais ameaçadas de espoliação. De nossa riqueza total, enorme e tão mal distribuída, o que vem degradando cada vez mais nosso povo. 

No azul de nosso céu, onde brilha um sol eterno, e onde reina nosso símbolo o Cruzeiro do Sul. 

No azul ameaçado pela poluição, com sua camada de ozônio sendo destruída, trazendo desesperança para as futuras gerações. 

No branco, que simboliza a Paz, com Ordem e com Progresso, mas também com Justiça Social, porque sem Justiça não sobrevive a Ordem e a Paz. 

No teu branco que simboliza o Amor, Amor que temos por toda a Humanidade, por todas as nações do mundo. 

Pois, tu, Bandeira do Brasil, representas em uma Loja Maçônica, não apenas nossa querida Pátria, mas todos os povos da Terra. 

Nas tuas estrelas, que representam todos os Estados, todos os segmentos que compõem este país continente; que com todas as suas características próprias, nenhum é mais importante que o outro, pois estão unidos num mesmo Ideal. 

Bandeira do Brasil, lidera-nos, para que seja realidade no planeta o nosso sonho, a nossa utopia: LIBERDADE, IGUALDADE E FRATERNIDADE. 

OUTRAS OBSERVAÇÕES A SEREM SEGUIDAS 

Dístico em impressos do Rito Moderno- Nos impressos, estandartes, publicações, timbres, símbolos e outros documentos ou similares do Rito Moderno o dístico a ser usado é “LIBERDADE, IGUALDADE, FRATERNIDADE”, e não “À Glória do Grande Arquiteto do Universo” ou “A\G\D\G\A\D\U\”. 

Cumprimentos e sinais em público- Todo Maçom deve evitar cumprimentos e sinais em público, estes só devem ser feitos quando do telhamento ou em lugar reservado. 

Postura em Loja- É evidente que, estando em Loja, sentado, o Irmão deverá postar-se ereto, preferivelmente, com as mãos sobre os joelhos. A falta de compostura, o cruzar de pernas ou “o muito à vontade”, é um desrespeito aos Trabalhos. 

Aplausos- Normalmente, é tradição só se aplaudir a palavra do Orador nas suas conclusões finais, por falar em nome da Loja, ou quando termina sua alocução algum conferencista convidado ou, ainda, no final dos Trabalhos. No entanto, nada impede que após a apresentação de alguma peça de arquitetura apresentada por algum Irmão que cause um entusiasmo geral seja aplaudida. 

Visita de profanos- É vedada a visita de profanos às dependências do Templo, a não ser nas reuniões festivas públicas. À Câmara de Reflexão é expressamente proibida a visita de profanos. 

Colunas do Norte e do Sul- Os Vigilantes devem evitar usar o termo “minha coluna”, (pois alguém pode ter a impressão de possessividade) quando se referem as Colunas do Norte e do Sul, pois as colunas não lhes pertencem, eles são, isto sim, responsáveis por elas, e não proprietários delas. 

As colunas com que se identificam os Vigilantes são: do 1º Vigilante a Dórica, a coluna de Força, do 2º a Coríntia, a coluna da Beleza. Sendo que a coluna do Venerável é a Jônica, a coluna da Sabedoria. Estas são as colunas que simbolicamente sustentam a Loja. 

Não se deve confundir as colunas de origem grega acima referidas com as colunas J e B, de origem egípcio-babilônica, posto que na época da construção do Templo de Salomão não existiam essas colunas gregas. É um erro colocar no pórtico de entrada colunas coríntias, como vem sendo feito. 

Arrastar pés- Deve-se abolir este costume, quer para protestar quer para abafar alguma fala, se a intenção é abafar a voz, deve-se utilizar a Coluna de Harmonia. 

Vestimenta Maçônica- A vestimenta Maçônica é essencialmente o Avental. Não deve ser permitida a presença em Sessão Maçônica de qualquer Irmão sem o Avental. Caso o Irmão alegue que o grau dele em Loja Filosófica não usa Avental, a Loja deverá fornecer-lhe um do Simbolismo, mas não deve permitir que adentre ao Templo sem o mesmo. 

Balandrau- Alguns chamam de traje Maçônico aquele determinado pelo Grande Oriente para as Sessões Magnas, não o é. O traje Maçônico como dissemos no item anterior é o Avental. 

Aliás, o Rito Moderno, por tradição, e até por um plebiscito feito entre as Lojas do Rito adotam o balandrau como traje para ficar sob o avental. O balandrau deve ser preto, de forma talar, colarinho fechado, sem distintivo ou enfeite, que prejudiquem sua principal função, que é a padronização, a igualdade. Quando do uso do balandrau a calça, meias e sapatos deverão ser também pretos ou azuis escuros. Não se deve usar tênis ou calça rancheiro. 

Os trabalhadores nas obras, os Maçons de ofício, desde as antigas corporações romanas, quando em viagem, usavam o balandrau negro. 

“Smoking”, “blazer”, “summer” e similares não são traje maçônico. O termo “Preto Maçônico” não cabe, posto que não conhecemos nenhuma fábrica de tintas que fabrique esse tal de “preto maçônico”. 

Sessão pública ou Sessão branca- Deve-se usar o termo Sessão Pública, ou seja Sessão em que é permitida a entrada de profanos. Nada se justifica o termo Sessão branca, as Sessões Maçônicas não tem cores, nunca se viu Sessão negra, cor de rosa, amarela, ou seja qual for. 

Número necessário de Irmãos para realização de uma Sessão Maçônica: Diz o ritual que necessário se faz a presença de pelo menos sete Irmãos. Para a Loja tomar qualquer decisão esses Irmãos tem que ser todos Mestres. 

No entanto, para uma Sessão sem assuntos a serem decididos é exigida a presença mínima de três Mestres. 

Nas Sessões com três Mestres, um será o Venerável, o 1º Vigilante acumulará os cargos de Orador e Hospitaleiro, e o 2º Vigilante acumulará os cargos de Secretário, Mestre de Cerimônias e Cobridor. 

Nas Sessões com quatro Mestres, o 1º Vigilante acumulará o cargo de Orador, e o 2º Vigilante o de Secretário e haverá um Mestre de Cerimônias que acumulará os cargos de Hospitaleiro e Cobridor. 

Nas Sessões com cinco Mestres haverá um Cobridor e o Mestre de Cerimônias acumulará o cargo de Hospitaleiro. 

Nas Sessões com seis Mestres haverá um Orador além dos mesmos das Sessões acima citados. 

Nas Sessões com sete Mestres haverá também um Secretário e somente o Mestre de Cerimônias acumulará o cargo de Hospitaleiro. 

Deve-se evitar que sejam realizadas com menos de sete Mestres. Sempre que houve mais um Mestre este ocupará um dos cargos acumulados ou ocupados por Companheiro ou Aprendiz. 

Os Aprendizes só podem ocupar cargos, (sem usar colar) que estejam na Coluna do Norte e que não subam ao Oriente ou se dirijam à Coluna do Sul, e tampouco podem ocupar o cargo de Cobridor. Podem, pois, eventualmente ocupar os cargos de Chanceler, 2º Experto e Mestre de Harmonia. 

Os Companheiros só podem ocupar cargos (sem usar o colar) que estejam na Coluna do Norte e do Sul, e tampouco devem ocupar o cargo de Cobridor. Podem, pois, eventualmente ocupar os cargos de Chanceler, 1º , 2º e 3º Expertos, Tesoureiro, Chanceler e Mestre de Harmonia. 

SUBSTITUTO DO VENERÁVEL

– Não estando o Venerável, seus substitutos legais são, na ordem, o 1º e a seguir o 2º Vigilante. É evidente que em Sessões de Iniciação, Elevação e Exaltação eles, não sendo Mestres Instalados, não podem sagrar o candidato. Neste caso serão substituídos pelo último Venerável ou por um Mestre Instalado, preferivelmente um Decano. 

SUPREMO CONSELHO DO RITO MODERNO E GRANDE ORIENTE DO BRASIL 

Há confusão entre os Irmãos quanto à jurisdição das Potências e dos órgãos dos Graus Simbólicos – Aprendiz (1) Companheiro (2) e Mestre (3) – e dos chamados Graus Filosóficos – Capítulos, Grandes Conselhos e Supremo Conselho . 

Os Simbólicos são subordinados ao Grande Oriente do Brasil, os Filosóficos são subordinados ao Supremo Conselho do Rito Moderno. 

Tendo sido estruturado sob a égide do Rito Moderno, o Grande Oriente do Brasil mantém um Tratado de Amizade e Reconhecimento mútuo com o Supremo Conselho do Rito Moderno. Anteriormente à reforma do Grande Oriente do Brasil as duas Potências se confundiam, após a separação do Simbolismo e dos Graus Filosóficos a jurisdição das Lojas Simbólicas ficou afeta ao Grande Oriente do Brasil e das Lojas chamadas Filosóficas ficou afeta ao Supremo Conselho do Rito Moderno. 

Uma Potência não interfere na administração da outra, mas se respeitam e respeitam as que regem os Ritos reconhecidos. 

O Grande Oriente do Brasil, atualmente, reconhece seis Ritos Maçônicos diferentes: Adonhiramita, Brasileiro, Escocês Antigo e Aceito, Moderno, Schroeder e York. 

A redação e reforma dos rituais é afeta aos Altos Corpos Filosóficos, sendo depois aceita e aprovada pelo Grande Oriente do Brasil; a partir deste momento o que consta dos Rituais obriga a todos os Maçons pertencentes a Lojas daquele Rito e que sejam federadas ao Grande Oriente do Brasil. 

Infelizmente, muitos de nossos Irmãos que são incumbidos de redigir Leis, Decretos e Atos não têm conhecimento das regras de outros Ritos que não o seu, razão porque, às vezes e felizmente poucas, fixam normas que ferem diretamente a Ritualística reconhecida e adotada pelo Grande Oriente do Brasil para cada um dos Ritos diferentes. 

Portanto, no caso do Rito Moderno, especificamente, quando as Comissões de recepção não portam estrelas, não é o Supremo Conselho que adotou critérios que contrariam dispositivos constantes do RGF, mas o próprio Grande Oriente que reconhece este critério ao adotar e aprovar o Ritual do Rito Moderno. Fato semelhante acontece com o Rito Adonhiramita e com o Rito Moderno no número de Irmãos que ficam à direita ou à esquerda e na posição do Mestre de Cerimônias nas Comissões de recepção. 

O Rito de Schroeder e o de Rito de York não têm expertos. O de Schroeder não tem Cobridor, função do 2º Diácono. Os dois Ritos não têm Chanceler e a legislação geral fala em eleição dos mesmos, o que é impossível para eles. Fala-se em eleição do Irmão Orador, no entanto, no Rito de Schroeder não existe tal cargo definitivo. Da mesma forma no Rito de York que fixa as eleições para Venerável anualmente. Muito mais poder-se-ia dizer sobre as diferenças não sendo aqui o local próprio. 

É evidente que o Grande Oriente permite a não obediência restrita a certas normas gerais, desde que firam os princípios e a Ritualística de cada Rito, pois ele mesmo afirma a obediência restrita ao Ritual de cada um. 

LANDMARQUES 

Como o nome já diz: LANDMARQUES, aportuguesado do inglês “Landmarks”, significa marca de terra, lindeiro. Em Maçonaria significa limites entre o que seja Maçonaria e aquilo que não se pode intitular como tal. A prática de se relacionar, de se classificar os Landmarques só teve início a partir do século XIX. Anteriormente só se refere a landmarque num sentido genérico, utilizando-se mais o termo regra (rule), como fez a Grande Loja da Inglaterra em seu princípio. 

Mas, o que seria efetivamente um Landmarque se os autores Maçons os classificam desde 3 até 54? Quem seria o correto coletor desses landmarques? A maioria deles relacionam problemas simplesmente administrativos de uma Potência Maçônica como se Landmarque fosse. 

A classificação mais aceita pelos brasileiros é daquelas a que mais fere o princípio evolutivo da Maçonaria, aceita universalmente. Além de relacionar como se Landmarque fosse problemas administrativos, exigências recentes, a classificação de Mackey, feita em 1858, relativamente nova, afirma em seu último item a inalterabilidade de sua redação, numa atitude evidentemente papal. Teria sido Mackey o ungido de Deus? 

A própria Grande Loja Unida da Inglaterra nunca relacionou ou citou uma determinada classificação de Landmarque. Ela aceita como Landmarque os Antigos Deveres citados na Constituição de Anderson. O que ela fez foi citar os oito pontos que exige para reconhecimento de uma Potência Maçônica, que nós aceitamos, pois o Grande Oriente do Brasil tem Tratado de Amizade e Reconhecimento com ela.. 

O Rito Moderno, coerente com seus princípios aceita como mais concernente a compilação de Findel, que é a seguinte: 

1.- A obrigação de cada Maçom de professar a religião universal em que todos os homens de bem concordam. (praticamente transcrevendo as Constituições de Anderson, primeiro documento oficial da moderna Maçonaria) 

2.- Não existem na Ordem diferenças de nascimento, raça, cor, nacionalidade, credo religioso ou político. 

3.- Cada iniciado torna-se membro da Fraternidade Universal, com pleno direito de visitar outras Lojas. 

4.- Para ser iniciado é necessário ser homem livre e de bons costumes, ter liberdade espiritual, cultura geral e ser maior de idade. 

5.- A igualdade dos Maçons em Loja. 

6.- A obrigatoriedade de solucionar todas as divergências entre os Maçons dentro da Fraternidade. 

7.- Os mandamentos da concórdia, amor fraternal e tolerância; proibição de levar para a Ordem discussões sobre assuntos de religião e política. 

8.- O sigilo sobre os assuntos ritualísticos e os conhecimentos havidos na iniciação. 

9.- O direito de cada Maçom de colaborar na legislação maçônica, o direito de voto e o de ser representado no Alto Corpo. 

Como vemos, dificilmente poderemos fazer alguma ressalva a respeito desta relação, razão porque a aceitamos como a que mais se coaduna com aquilo que possamos efetivamente chamar de LANDMARQUE. 

RITO MODERNO – UM POUCO DE SUA HISTÓRIA 

O início da Maçonaria na França 

François Marie Arouet, Voltaire, o demolidor de mitos, desapareceria logo depois de iniciado na Loja “Neuf Soeurs”, em 1778, no mesmo ano em que, coincidentemente, desaparecia Jean Jacques Rousseau, sendo, ambos, os intelectuais que mais influenciaram o pensamento da sociedade francesa — e da mundial — nas épocas posteriores. Eles mostravam, todavia, grandes diferenças de pensamento. Voltaire tinha, por base de sua obra, o racionalismo, como, no dizer de Diderot, um verdadeiro filósofo setecentista, que se conduz pela razão, juntando, ao espírito de reflexão e de justeza, os costumes e as qualidades sociais. Isso o coloca em oposição à inteligência mística de Rousseau, filósofo e moralista, nascido em família calvinista e convertido, ainda adolescente, ao catolicismo. Voltaire tem o melhor do seu pensamento exprimido no “Dictionnaire Philosophique”, de 1764, no “Lettres Anglaises”, de 1734, e nos diversos contos, entre os quais “Cândido”, de 1754, é sua obra prima. Rousseau tem, como sua obra fundamental, “Du Contrat Social”, onde formula a teoria do Estado baseado na convenção entre os homens, defendendo o princípio da soberania do povo. Publicada em 1762, essa obra, junto com o restante da produção literária de Rousseau, teve grande influência revolucionária, por exprimir as injustiças sociais da época, numa crítica violenta ao cristianismo dogmático e ao ceticismo filosófico. 

Assim, a obra de Rousseau foi muito mais importante, no ideário da Revolução Francesa, do que a de Voltaire, que, dentro da atitude racional da inteligência, desejava não a revolução, mas a reforma das instituições monárquicas, pregando a tolerância ideológica e defendendo os direitos civis. Ambos, entretanto, influenciariam, um século depois, a grande reforma institucional de 1877, no Grande Oriente da França, que sepultou o dogmatismo, combatido por Rousseau, e implantou a tolerância ideológica, pregada por Voltaire. 

Em 1778, ano da morte de ambos, havia 554 Lojas no território francês, surgidas da primeira Loja genuinamente francesa, criada, em Paris, a 3 de abril de 1732, já que, antes, as existentes eram mais britânicas, surgidas na esteira do séquito dos Stuarts, refugiados na França, após a revolta de 1649. Depois dessa primeira Loja, outras foram sendo criadas, ocorrendo, no caso, um fato importante, em setembro de 1734 : no dia 7 desse mês, um jornal de Londres relata que, no castelo da duquesa de Portsmouth, em Paris, Charles Lennox, duque de Richmond, junto ao qual se encontrava Montesquieu, procedeu à recepção de muitos neófitos da mais alta nobreza francesa. A 20 de setembro de 1735, nova reunião, com a presença de Théophille Désagulliers — um dos fundadores da Premier Grand Lodge, em Londres, em 1717 — e lord Waldegrave, embaixador de Sua Majestade britânica, ao lado de Montesquieu. A Maçonaria, assim, espalhou-se pelo território francês, no século XVIII, sob a égide de Montesquieu, o grande filósofo e autor de “´L´Esprit des Lois” (O Espírito das Leis), obra de fundamental importância no desenvolvimento da Ciência Política. 

Em 1737, cinco Lojas existiam em Paris. Em 1741, já eram vinte e duas, quando a propaganda maçônica já atingia a província, tendo sido fundada uma Loja em Lions, em 1740, além de outras em Rouen, Caen, Nantes, Bordeaux, Montepellier e Avignon. Em 1738, o duque d´Antin é nomeado Grão-Mestre vitalício dos maçons franceses, embora ainda não houvesse, oficialmente, uma Obediência francesa, o que só aconteceria em 1765. Em 1743, Henri de Bourbon, conde de Clermont, o sucede, apesar dos muitos votos dados ao príncipe de Conti e ao marechal de Saxe. Um outro nobre sucede ao conde de Clermont, em 1771 : o duque de Chartres, que, com a morte de seu pai, tomou o título de duque de Órleans, cuja cadeira de Grão-Mestre é conservada no museu do Grande Oriente da França e cujo retrato, com todas as insígnias da Ordem, acha-se no castelo de Chantilly. 

O Grande Oriente e o Rito Moderno 

A Maçonaria francesa passaria, porém, por grandes vicissitudes. A federação denominada Grande Loja da França, oficialmente existente a partir de 1765, para reunir as Lojas esparsas, não chegara a uma boa gestão, o que fez com que, em 1771, ocorressem reuniões destinadas a preparar uma nova organização, culminando, a 24 de dezembro daquele ano, com a assembléia das Lojas, que, depois de declarar extinta a antiga Grande Loja, anunciava que ela era substituída por uma Grande Loja Nacional, que seria denominada, dali em diante, Grande Oriente da França. A 17 de junho de 1773, a Grande Loja protesta, declarando o Grande Oriente cismático, degradando o título de maçom de todos os componentes deste. Sem se preocupar com esses ataques, o Grande Oriente persiste, sendo solenemente instalado a 24 de junho de 1773. 

E foi tão grande o desenvolvimento do Grande Oriente, que, das 547 Lojas francesas existentes em 1778, 300 estavam sob a sua jurisdição e ele mantinha correspondência com 1.200 Lojas estrangeiras. Nessa altura já existia o Rito Francês, ou Moderno, que havia sido criado em 1761, constituído a 24 de dezembro de 1772 e proclamado pelo Grande Oriente, a 9 de março de 1773, chegando, já na época da Revolução Francesa, à maior importância, dentro do Grande Oriente da França. E desde essa época, começava a rivalidade entre o Grande Oriente e a Grande Loja inglesa, que exigia ser reconhecida como Grande Loja Mãe, embora isso não fosse mais do que uma satisfação moral, não criando laço de subordinação. O Grande Oriente desejava tratar de igual para igual, sob todos os pontos de vista e solicitava que as Lojas anteriormente fundadas, sob patente inglesa, lhe fossem repassadas, com o que Londres não concordava. Embora a Grande Loja inglesa reconhecesse o Past-Master e o Royal Arch, como “complementos do mestrado”, considerava irregulares os Altos Graus escoceses, que haviam, anarquicamente, proliferado na França, causando desordem. E o Rito Moderno nasceu, exatamente, do desejo do Grande Oriente de remediar a situação, perseguindo uma política de unidade, aceitando os diferentes ritos, à qual Londres fez oposição. 

O rito, embora criado sob moldes racionais, seguia a orientação dos demais, em matéria doutrinária e filosófica, baseada, entretanto, na primitiva Constituição de Anderson, com tinturas deístas, mas largamente tolerante, no que concerne à religião, como se pode ver na primeira de suas Antigas Leis Fundamentais (Old Charges): “O maçom está obrigado, por vocação, a praticar a moral; e, se bem compreender os seus deveres, jamais se converterá num estúpido ateu nem em irreligioso libertino. Apesar de, nos tempos antigos, os maçons estarem obrigados a praticar a religião que se observava nos países que habitavam, hoje crê-se mais conveniente não lhes impor outra religião senão aquela que todos os homens aceitam e dar-lhes completa liberdade com referência às suas opiniões particulares. Essa religião consiste em serem homens bons e leais, ou seja, honrados e justos, seja qual for a diferença de nome ou de convicções”. 

A Revolução Francesa — da qual a Maçonaria, nas palavras de Henri Martin, foi o laboratório — não interrompeu totalmente os trabalhos do Grande Oriente. a Loja “La Bonne Amitié”, de Marmande, recebeu sua constituição a 20 de dezembro de 1792; mesmo no auge do Terror, três Lojas da capital, “Le Centre des Amis”, “Les Amis de la Liberté” e “la Martinique des Frères Réunis”, não deixaram de promover reuniões. Mas houve uma grande diminuição da atividade maçônica, prejudicando as relações com a Grande Loja inglesa. Passado o auge do movimento, Roettiers de Montalau — cujo retrato orna a sala do Conselho da Ordem, em Paris, acima da cadeira do Presidente — empenha-se, a partir de 1795, na reconstituirão do Grande Oriente, tentando conciliá-lo com a Grande Loja. Graças aos seus esforços, a 21 de maio de 1799, as duas Obediências redigem um tratado de união, completando a união maçônica na França, a qual pouco iria durar, já que, em 1804, ela seria comprometida pela introdução do Rito Escocês Antigo e Aceito, de 33 graus, com a fundação do Supremo Conselho do conde de Grasse-Tilly (o primeiro Supremo Conselho foi fundado em Charleston, Carolina do Sul, EUA, em 1801). 

A regressão dogmática 

Em 1815, ocorreria a regressão dogmática, que tanto influiria nos destinos da Maçonaria francesa: a Grande Loja Unida da Inglaterra, que surgira em 1813, da fusão da Grande Loja dos “Modernos” (de 1717) e a dos auto-denominados “Antigos”, de 1751, alterava a primitiva Constituição de Anderson, tornando-a absolutamente dogmática e impositiva, como se pode ver no texto da primeira das Antigas Leis (que, aí, deixou de ser antiga lei): 

“Um maçom é obrigado, por seu título, a obedecer à lei moral e, se compreender bem a Arte, nunca será ateu estúpido, nem libertino irreligioso. De todos os homens, deve ser o que melhor compreende que Deus enxerga de maneira diferente do homem, pois o homem vê a aparência externa, ao passo que Deus vê o coração. Seja qual for a religião de um homem, ou sua forma de adorar, ele não será excluído da Ordem, se acreditar no glorioso Arquiteto do Céu e da Terra e se praticar os sagrados deveres da moral….” 

Ou seja: ao liberalismo e à tolerância da original compilação de Anderson, foram sobrepostos os teísmo pessoal, o dogmatismo e a imposição, incompatíveis com a liberdade de pensamento e de consciência. 

Apesar disso, quando o Grande Oriente promulgou, em 1839, seus primeiros “Estatutos e Regulamentos Gerais da Ordem”, estes conservavam o melhor da tradição da Maçonaria dos Aceitos, dentro do espírito da original Constituição de Anderson, de 1723, como se pode ver em seus três primeiros artigos, sem qualquer dogmatismo: 

“Art. 1º – A Ordem Maçônica tem por objeto o exercício da solidariedade, o estudo da moral universal, das ciências, das artes e a prática de todas as virtudes. 

Art. 2º – Ela é composta de homens livres, que, submissos às leis, reúnem-se em Sociedade constituída de acordo com estatutos gerais. 

Art. 3º – Não pode alguém ser maçom e gozar os direitos inerentes a esse título: 

1. se não tiver 18 anos completos, se não for livre e de bons costumes e se não obteve o consentimento de seu pai, ou de seu tutor; essa última condição só será exigida até à idade de 21 anos; 

2. se não for livre e honrado; 

3. se não for domiciliado há pelo menos seis meses no local em que se encontra a Loja à qual se apresenta; 

4. se não tiver grau de instrução necessário para cultivar sua razão; 

5. se não for admitido nas formas determinadas pelos Regulamentos e Estatutos Gerais”. 

Todavia, em 1849, por obra e graça dos partidários de uma reaproximação, que degelasse As relações com a Grande Loja Unida da Inglaterra, eram reformados esses estatutos —e transformados em Constituição — sendo incluídos, neles, as cláusulas inspiradas pela revisão de 1815, das Constituições de Anderson, como se pode ver no texto aprovado: 

“Art. 1º – A Francomaçonaria, instituição essencialmente filantrópica, filosófica e progressista, tem por base a existência de Deus e a imortalidade da alma…” 

………………………………………………………………………………………………………… 

Art. 3º – Para atingir esse objetivo, eles (os maçons, referidos no Art. 2º) devem, respeitando a consciência individual, empregar todos os meios de propaganda pacífica, dos quais os principais são o exame e a discussão de diversas questões que podem esclarecer os espíritos e, sobretudo, conciliar os corações”. 

A incoerência salta aos olhos, pois, à exigência dogmática do Artigo 1º, era aposto, no Artigo 3º, o respeito à consciência individual. Diante disso, foi feita, em 1865, uma pequena alteração, sem mudar o texto dogmático, na parte referente à liberdade de consciência, assim redigida: 

“Ela (a Maçonaria) vê a liberdade de consciência como um direito próprio de cada homem e não exclui a ninguém por suas crenças”.

 

Translate
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.