O verdadeiro Grau do Dia da Pizza.

Nesta sexta-feira (10) foi comemorado o Dia da Pizza, uma das iguarias gastronômicas mundialmente apreciadas por pessoas de todas as idades.

Pizza (também grafada piza em Portugal) é uma preparação culinária que consiste em um disco de massa fermentada de farinha de trigo, coberto com molho de tomate e os ingredientes variados que normalmente incluem algum tipo de queijo, carnes preparadas ou defumadas e ervas, normalmente orégano ou manjericão, tudo assado em forno.

A história da piza começou com os egípcios. Acredita-se que eles foram os primeiros a misturar farinha com água. Outros afirmam que os primeiros foram os gregos, que faziam massas a base de farinha de trigo, arroz ou grão-de-bico e as assavam em tijolos quentes.

A novidade foi parar na Etrúria, na Itália. Ao contrário do conhecimento popular e do fato ser considerada tipicamente italiana, os babilônios, hebreus e egípcios já misturavam o trigo e amido e a água para assar em fornos rústicos há mais de 5 000 anos.

A massa era chamada de “pão de Abraão”, era muito parecida com os pães árabes atuais e recebia o nome de piscea. 

Os fenícios, três séculos antes de Cristo, costumavam acrescentar coberturas de carne e cebola ao pão; os turcos muçulmanos adotavam esse costume durante a Idade Média e, por causa das cruzadas, essa prática chegou à Itália pelo porto de Nápoles, sendo, em seguida, incrementada, dando origem à piza que conhecemos hoje.

 No início de sua existência, somente as ervas regionais e o azeite de oliva, comuns no cotidiano da região, eram os ingredientes típicos da piza.

Os italianos foram os que acrescentaram o tomate, descoberto na América e levado à Europa pelos conquistadores espanhóis. Porém, nessa época, a piza ainda não tinha a sua forma característica, redonda, como a conhecemos hoje, mas sim dobrada ao meio, feito um sanduíche ou um calzone.

 A piza era um alimento de pessoas humildes do sul da Itália, quando, próximo do início do primeiro milênio, surgiu o termo picea, na cidade de Nápoles, considerada o berço da piza. “Picea” indicava um disco de massa assada com ingredientes por cima.

Servida com ingredientes baratos, por ambulantes, a receita objetivava “matar a fome”, principalmente a da parte mais pobre da população.

Normalmente, a massa de pão recebia, como sua cobertura, toucinho, peixes fritos e queijo. 

A fama da receita correu o mundo e fez surgir a primeira pizzaria de que se tem notícia, a Port’Alba, ponto de encontro de artistas famosos da época tais como Alexandre Dumas, que, inclusive, citou variações de pizzas em suas obras.[carece de fontes] Em 1962, Sam Panopoulos (1934-2017), grego emigrado no Canadá e dono de vários restaurantes, teve a ideia de acrescentar ananás a uma piza.

 

Massa de Pizza

INGREDIENTES: (para 6 discos)

  • 1kg de farinha
    ·         375ml de água (igual a 3 xícaras)
    ·         125ml de leite (igual a 1xícara)
    ·         25g de fermento biológico
    ·         1 pitada de sal
    ·         1 pitada de açúcar
    ·         1/2 colher de sopa de óleo

MODO DE FAZER:

Misture em uma tigela, 375ml de água, 125ml de leite, 25g de fermento, meia colher de sopa de óleo, uma pitada de sal e açúcar. Acrescente 1kg de farinha, mexa até virar uma massa. Divida em seis partes e deixe descansar por 20 minutos. Abra os discos e asse no forno por 15 minutos. Depois é só acrescentar o recheio e levar ao forno por mais 10 minutos.

Cardápio

Ingredientes

2 ½ xícaras (chá) de farinha de trigo
¾ xícaras (chá) de leite
1 tablete de Fermento Fresco Fleischmann (15 gramas)
1 colher (chá) rasa de sal
1 colher (sopa) rasa de açúcar
2 colheres (chá) de óleo
2 colheres (chá) de margarina
1 ovo

Rendimento: 1 pizza grande ou 2 pizzas média.

Modo de preparar:

  1. Juntar o fermento com o açúcar. Acrescentar o leite e misturar bem.
  2. Em recipiente, colocar a farinha, os demais ingredientes e a misturar contendo o fermento. Sovar a massa por 5 minutos em superfície enfarinhada.
  3. Dividir a massa em 2 partes e deixar descansar por 20 minutos.
  4. Abrir a massa, colocar em forma untada (1 tabuleiro grande ou 2 tabuleiros médio) e deixar repousar por 20 minutos.
  5. Assar em forno moderado (190ºC) por 10 minutos.
  6. Colocar o recheio e voltar ao forno por mais 5 minutos.

Reportagem dedicada aos Mestres de Banquetes das Lojas Maçônicas.

(A: FC | R: CRS) Ao retransmitir esta mensagem favor não retirar os créditos Assessoria de Comunicação da www.redecolmeia.com.br

 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.